A maior estrutura viva do planeta está morrendo aos poucos

1

.A grande barreira de Corais da Austrália não é mais uma mocinha É uma senhora com mais de 25 milhões de anos de vida e, infelizmente, a saúde dela não anda nada bem. Mais de um terço dos corais das partes central e norte da barreira estão mortos e 93% dos recifes individuais já perderam a cor.

O problema é aquele de sempre, as mudanças climáticas. Com o aquecimento da água, as algas produzem mais oxigênio e os corais partem em fuga — desgrudam-se dos recifes e nadam solitários no oceano. A solução não é das melhores: eles se alimentam das algas e, sem elas, embranquecem e morrem.

O pior é que comprometem centenas de outras vidas que dependem dos recifes. Pela barreira escondem-se 625 espécies de peixes, 3 mil de moluscos, 450 de corais, 220 de pássaros e várias espécies de baleias, golfinhos e tartarugas.

De acordo com os pesquisadores, ainda há esperança para esse branqueamento ser revertido. O periódico britânico The Guardian se adiantou e escreveu o obituário da barreira, a fim de chamar a atenção para o tema. Publicações do mundo todo popularizaram a triste — e equivocada — notícia.

O alarde é válido, no entanto, só 22% do coral realmente bateu as botas. Ou seja, três quartos da barreira de 2,2 mil quilômetros ainda respiram — mesmo com a ajuda de aparelhos. Russell Brainar, do Programa do Ecossistema de Recife de Corais no Pacífico, alerta sobre o quadro: “Se pensarem que não há nada a fazer, as autoridades vão apenas mudar de assunto e tocar em frente.” Por ora, a barreira vive.

COMPARTILHAR
Luis Junior

Sou aquele garoto que amava os Beattles e os Rolling Stones.